ClickSummit, 2014, 20 de Novembro: André Novais de Paula – Os 5 passos para o sucesso em email marketing (página 1)

Clicksummit 2014: o primeiro evento de Marketing Digital, de várias conferências sucessivas a longo de vários dias, em formato digital

E começamos a nossa reportagem do primeiro evento totalmente digital em Portugal, o Clicksummit, com a conferência de André Novais de Paula, director de Estratégia Criativa na Directimedia, docente na Pós-graduação de Marketing Digital no IPAM e formador, dedicada ao tema do email marketing.

A conferência, marcada para as 12:00 era a segunda do dia, depois da abertura de Frederico Carvalho, a mente criativa por trás de todo o evento, que aproveitou a oportunidade para também abordar a questão do funil de vendas.

André Novais de Paula, conferencista do ClickSummit 2014, com o tema "Os 5 passos para o sucesso em email marketing"

André Novais de Paula

Infelizmente, esta é a uma das conferências a que pudemos assistir neste dia, tendo ficado três de fora: portanto, se alguém assistiu ou tem notas da mini-conferência de Frederico Carvalho ou a das 17:00, do João Pico (“Web Video Marketing”) e/ou a das 20:00, de Paul Sebin (“Google Panda e tendências de SEO para 2015”), partilhem-nas connosco, que teremos todo o gosto em publicá-las. Contactem-nos para o email habitual (comunicacaoempresarial@gmx.com).

Os 5 passos para o sucesso em email marketing

De volta à conferência de André Novais de Paula, o orador começou por indicar quais são os cinco passos referidos no título da sua intervenção sob os quais sintetiza a actividade de email marketing (a actividade das marcas se promoverem através do canal email):

  1. Base de dados
  2. Boas práticas
  3. Relevância
  4. Medir
  5. Testar

1. Base-de-dados

Como seria de esperar, em relação a este ponto, o orador começa por referir que a base de dados é o início da própria actividade de email marketing. Sem esta, não é possível fazer absolutamente nada. Porém, na ânsia de se obter as mesmas, os marketers tendem a esquecer alguns elementos essenciais, para uma actividade e Novais de Paula ataca directamente a questão.

Em primeiro lugar, é importante pensar a própria estrutura da base-de-dados deve servir os objectivos do negócio. É importante não pedir mais dados do que os que são úteis para futuras segmentações, pois cria atritos desnecessários. Quanto mais dados pedimos às pessoas, mais elas tendem a desistir da própria ideia de fornecer os seus dados.

[Se ainda não é subscritor da newsletter do blogue, saiba que para o fazer, tudo o que lhe pedimos é o seu email. Ao ser assinante dela – sem qualquer custo associado – passa a receber todas as informações relativas ao blogue e não só: reportagens de eventos como esta, recensões críticas de livros, artigos e dicas úteis de como gerir o seu negócio. Subscreva já e receba o recurso mais competitivo: informação privilegiada.]

Em matéria legal, Novais de Paula salienta dois aspectos importantes: o registo da Base de Dados na Comissão Nacional de Protecção de Dados (CNPD) e o opt-in, já que em comunicações electrónicas, o fornecimento de dados tem de ser prévio e expresso.

Ainda sobre essa questão, ele sugere a utilização de uma estratégia com a qual concordamos, no blogue: o double opt-in. Em que consiste? Bem, o visitante interessado, que pretende manter o vínculo e receber informação, normalmente preenche um formulário em que dá o seu contacto – tipicamente, o endereço de correio electrónico. De seguida, recebe um email de confirmação, com um link. É somente após o visitante clicar nesse link que a subscrição é dada como confirmada e efectiva.

Exemplo de uma base-de-dados de email marketing

Exemplo de uma base-de-dados de email marketing

Ainda que tendencialmente este tipo de prática diminua o número de registos – por ter um passo adicional, já que muitas vezes as pessoas tendem a não completar o processo porque se esqueceram, mudaram de ideias, não se apercebem que têm mesmo de clicar no link ou até podem nem receber o email ou este ir parar à caixa de spam do seu cliente de email – e ainda que não seja obrigatório por lei, o orador insiste na importância de seguir esta boa prática, já que é uma garantia adicional que a pessoal realmente quer receber os nossos emails, o que cria, logo à partida, listas mais «limpas», ainda que menores, como referimos, com melhores taxas de abertura e cliques, por se tratarem de públicos tendencialmente mais engajados.

Assim, quando não é possível recorrer a um sistema de criação de bases-de-dados com double-opt in, André Novais de Paula sugere a criação de um sistema artesanal que o emule: a pessoa faz um opt-in simples e somos nós, depois, quem envia um email ao suposto subscritor, pedindo-lhe que confirme a sua intenção de fazer parte da nossa base-de-dados.

Top Tip #1

Ao longo da conferência, ele foi deixando algumas Top Tips. A primeira, ocorreu justamente neste momento: ele sugere que se peça expressamente autorização para comunicações electrónicas, e não só email, pois tal garante a legalidade no envio não só destes, mas de sms e mms também, caso sejam vias que possam vir a interessar-nos, para chegar até aos nossos públicos relevantes.

Página 2 | Página 3 | Página 4

A próxima conferência a ser libertada é do Paulo Colaço, com o nome “Escrever discursos: passar a mensagem“. Subscreva agora, para poder receber as notas desta e das restantes conferências que iremos cobrir.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s